CUIDADO COM A LIQUIDAÇÃO!

Estilo
04/07/2017

É chegada a hora de liquidação. As lojas já começaram a reduzir seus preços e a anunciar promoções desta temporada. Ouso dizer que os descontos estão mais fartos e sedutores que o habitual. Um dos efeitos da crise, certamente. Mas o que poderia ser visto como algo vantajoso, também pode te levar a cair em cilada…

  

Vocês sabem que eu sempre prego o consumo comedido, sem exageros e essencialmente estratégico… Salvo aqueles casos de amor absoluto, rs. O problema durante a liquidação é que o preço relativamente baixo pode fazer a gente arremessar a racionalidade pela janela. Principalmente quando se depara com um “de R$599,00 por 159,00“. Mas não é porque o preço baixou que a peça se torna melhor para você, né?

A liquidação pode ser sim maravilhosa. Eu mesma pretendo aproveitar o momento e adquirir umas peças para mim – inclusive, procura-se blusas! Este eterno dilema da falta de blusas… Mas voltando ao assunto, tomando alguns cuidados, dá para evitar ciladas e se dar muito bem com os descontos e promoções desta ocasião. E isso é importante porque mais vale uma roupa de 200,00 que você vai usar do que uma de 100,00 encalhada, certo?

Está em bom estado? Liquidação é mesmo maravilhoso. Mas não podemos esquecer que estamos lidando com as sobras. E isso não é problema… Mas pode haver um bom motivo para que isso tenha acontecido com elas. Ontem eu tentei pegar uma blusa para uma cliente e absolutamente todas estavam manchadas de maquiagem. Fiquem atentas!

Se você não tivesse visto o quanto ela custava antes, ainda acharia o preço bom? Esse lance de “De … Por…” É feito para nos balançar! Pondere se ela vale mesmo o quanto custa agora. 

Tenha um orçamento. Liquidação pode render ótimas oportunidades, até demais. Tenha um limite em mente e você vai priorizar com mais clareza. 

Experimentou? Eu tenho uma amiga louca que nunca experimenta as peças na loja. #IndiretaDireta. Mas na liquidação muitas vezes as trocas não são permitidas. Além disso, dificilmente o dígito das peças é o mesmo. Ou seja, a cada troca que você faz acaba gastando um pouco mais para completar o crédito. Evite isso!

Está no tamanho certo? “Eu ajusto na costureira depois” é uma frase dita por muitas, mas raramente cumprida. Uma bainha, ok. Até a loja pode fazer isso por você. Mas mudar a roupa de tamanho pode ser mais complicado. Sem contar que costureiras são uma espécie em extinção, né? Existe cada vez menos, infelizmente.

Pelo lado bom, vale aproveitar os descontos da liquidação para ir a lojas diferentes do que você costuma ir. Com os preços mais baixos, talvez algumas lojas mais caras ou sofisticadas entrem no seu patamar de preços e assim você pode buscar algo potencialmente (ênfase em “potencialmente”, não é sempre o caso) melhor e de mais qualidade. Ou até peças mais elaboradas, como um bom blazer, uma blusa de seda, um tricô natural, uma jaqueta de couro, um acessório exuberante… Mas só compre se for mesmo uma boa compra – vale acessar este post também, para mais dicas importantes. 

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

O PODER TRANSFORMADOR DA TERCEIRA PEÇA + SAPATO
CORES QUENTES X CORES FRIAS
XODÓ :: CLUTCH DE PALHA
COMBO CROMÁTICO :: BEGE + BATOM PINK
  1. Pingback: Links Interessantes

  2. Talyta Em 07/07/2017

    Eu também sou mestre em deixar para experimentar em casa..Mas não é a toa, eu percebo que nas lojas as vezes o look te cai melhor, não sei se é a luz ou o espelho, mas chegar em casa e ver na sua realidade e, mais importante, experimentar a nova peça com suas próprias roupas faz você reconsiderar muitas peças.. O grande problema é que cai numa bola de neve de créditos e recompras infinitas, isso é verdade. Já sobre comprar algo que preciso mandar pra costureira eu já nem compro, se não me serve não vale a pena, afinal vou precisar gastar no minimo mais R$20 para ajustar, acaba encarecendo o valor final da peça.


    Responder

  3. Caroline Em 19/07/2017

    Olá, cheguei por aqui hoje e gostei da clareza com que você explica os conceitos. Tenho uma pergunta: e como a gente faz se queremos comprar de segunda mão (na onda do consumo consciente), online? Não dá pra experimentar. Contamos com a sorte e a crença na exata descrição da peça?


    Responder