DE QUANTA ROUPA VOCÊ PRECISA?

Comportamento
20/08/2017

Recentemente aconteceu uma coisa curiosa comigo… Numa mesma semana eu atendi a duas clientes completamente opostas, que quebraram um recorde pessoal cada uma. Uma delas tinha a menor quantidade de roupas que eu já vi. Todo o seu armário cabia numa mala de mão. Isso mesmo que você leu. Já a outra cliente, tinha roupa de umas três décadas armazenadas (eu sei porque reconheci peças que a gente usava quando eu era pré-adolescente) – e nunca tinha feito um descarte. Eu não sei exatamente quantas portas de armário seriam, porque as peças já não cabiam no armário. Diante de tamanho contraste, achei que era o universo me apresentando uma oportunidade de post, rs. 

roupa closet armário capsula inteligente

Eu sempre prego aqui um consumo mais consciente e uma abordagem mais prática do guarda-roupa. Apesar disso, eu sei e presenciei algumas vezes o quão forte pode ser o vínculo emocional das pessoas com as roupas. Eu exercitei o desapego a vida toda, para chegar no patamar que eu estou hoje. Me desfaço das coisas sem muito pesar, porque já descobri como uma vida mais leve e com menos coisas pode ser melhor (obrigada Marie Kondo). Já no outro lado da moeda, sei bem que existem pessoas que acham a roupa uma função chata e detestam fazer compras. Isso não quer dizer que a pessoa não ligue para a própria imagem. E esse conflito é o que leva algumas pessoas a me chamar. 

Cada atendimento é bem diferente e às vezes eu acabo direcionando o foco que cada consultoria vai ter dependendo da demanda. Tem gente que precisa de uma Consultoria de Imagem para conseguir ser mais criteriosa nas compras e descarte. Tem gente que precisa mais de compras e montagem de looks. Tem gente que precisa apenas fazer algo por si mesma. Uma alavancada na autoestima. Às vezes meu trabalho fica às margens da terapia. E eu acho que esta é a parte que eu mais gosto. Me dá uma satisfação enorme ser uma facilitadora de cada uma dessas questões. E o que eu presenciei com as duas clientes recordistas me fez pensar em uma pergunta: de quanta roupa você precisa

De quanta roupa você precisa?

Nós todas temos vidas super diferentes e polivalentes. Eu não diria que há um dígito específico. Longe disso! Mas sim que a quantidade de roupas que você precisa é diretamente proporcional à qualidade das roupas que você tem. E quando eu digo qualidade, não é sinônimo de coisa cara. O preço não tem nada a ver com o termo aqui. Para mim, qualidade se resume a seis critérios: versatilidade, beleza, estilo, adequação, caimento e estado da peça

Se a grande maioria das suas roupas veste bem, te valoriza, tem a sua cara, está bem cuidada, serve aos seus compromissos e ainda se coordena com as demais peças, você não vai precisar de muita quantidade. No caso da minha cliente com uma mala de roupa, meu foco foi nas compras e nos looks. Já que nem precisou de descarte, compensei montando mais opções para ela. Com cerca de 30 peças no armário todo, conseguimos montar mais de 100 produções diferentes. O equivalente a 3 meses e meio de looks, sem repetir nenhuma vez. E ouso dizer: dava para montar até mais. Ela ficou com o armário inteligente perfeito, dentro do estilo dela, compacto e prático. Para quem ainda não está familiarizado com o funcionamento do armário em cápsula, fiz um Gif que resume o conceito:

Roupa

Cardigã | Regata estampada | Rasteira | Sandália de salto | Calça | Camiseta | Colar | Regata lisa | Saia | Blazer

Claro que isso é uma versão resumida, mas já deu para mostrar como funciona e como funciona bem, rs. Mas é claro que eu estou falando de necessidade. Do quanto você precisa mesmo. Mas se roupa é uma paixão para você, mais até do que viajar, comer ou outros prazeres (ou tanto quanto) – e você pode usufruir disso de forma saudável, por que não? Meu papel nestes casos é apenas apresentar critérios para que isso não saia do controle e seja feito de forma inteligente. A linha tênue entre paixão e dependência, como tudo na vida.

Meu ponto aqui é: precisar, precisar mesmo, não é tanto quanto você pensa. Apesar disso, é claro que você tem liberdade para ir muito além do mínimo. Mas em todos os casos, o armário só funciona se você tiver o essencial de roupas de qualidade e com tudo bem disposto e organizado. Do contrário, vai ser aquele velho dilema na hora de se vestir e a familiar sensação de que você não tem o que vestir…

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

TENDÊNCIA :: BRINCOS DE BOLAS
O PODER TRANSFORMADOR DA TERCEIRA PEÇA + SAPATO
CORES QUENTES X CORES FRIAS
CUIDADO COM A LIQUIDAÇÃO!

O PODER TRANSFORMADOR DA TERCEIRA PEÇA + SAPATO

Sem categoria
19/07/2017

Eu já escrevi aqui sobre a importância e as maravilhas da terceira peça e acho que ninguém precisa partir em defesa de um bom sapato… Mas talvez vocês não estejam totalmente familiarizadas com o potencial desta dupla dinâmica. A verdade é que uma escolha calculada muda completamente a proposta de um look. 

 terceira peça

Jeans + camiseta repaginados. 

Isso é importante porque, a partir do momento que você aprende a fazer esse ajuste, as possibilidades do seu armário se multiplicam e você precisa ter menos peças. Muita gente segmenta o armário de acordo com a vida. “roupas de trabalho“, “roupas de sair de dia“, “roupas de sair de noite“… Se o armário tiver uma seção para cada área da sua vida, você vai precisar de muitas peças. Se cada item começa a transitar em várias funções, sua demanda numérica cai pela metade (estimativa aleatória, quase científica, rs). 

     

O que ajuda muito é ter terceiras peças bem variadas, para adequar a proposta da produção e sapatos que acompanhem. Uma jaqueta jeans, uma jaqueta de couro, uma camisa jeans, um bom blazer, um cardigã… Alguns desses, dependendo do seu estilo, claro. O mesmo vale para os sapatos. Scarpin, espadrilha, bota, sapatilha… 

Terceira peça

Do almoço à festa

Do café à noitada.

Do trabalho ao show

Vestidos, que são super versáteis, mudam totalmente de aplicação, dependendo dos complementos. Eu, por exemplo, já usei um modelito de festa com jaqueta de couro. Isso me ajudou a adequar a roupa a eventos com dresscode indefinido. Tenho um outro vestido de tricô que já usei em casamentos e depois coloquei para trabalhar com uma rasteira e jaqueta. Se até roupa de festa pode ser reinventada, fazer o mesmo com um look de trabalho fica bem fácil.

Claro que ainda dá para coordenar com bijoux, maquiagem, cabelo e afins. Mas o importante é lembrar que a terceira peça e o sapato definem melhor a proposta da produção do que a própria roupa em si. Eleja os seus aliados e seja criativa!

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

DE QUANTA ROUPA VOCÊ PRECISA?
COMBO CROMÁTICO :: AZUL E CÁQUI
CORES QUENTES X CORES FRIAS
CUIDADO COM A LIQUIDAÇÃO!

CORES QUENTES X CORES FRIAS

Consultoria de Imagem
05/07/2017

Vocês me lêem falando muito sobre tom de pele. Cores frias x cores quentes, opacas x vivas, claras x escuras. Mas eu expliquei pouco ainda sobre o que estas características são na prática. A verdade é que cor é um assunto bocado complexo e eu tenho abordado aos poucos. Hoje decidi falar sobre a diferença entre cores frias e cores quentes. Uma introdução básica, por assim dizer:

 CORES QUENTES X CORES FRIAS    

Todos nós aprendemos no jardim de infância que as cores são feitas de outras cores. No caso de pigmentos, azul, amarelo e vermelho são as cores primárias (quando o assunto é luz, a coisa muda um pouco e na impressão também). Mas no pré-primário descobrimos que vermelho + amarelo dá laranja. Ou que azul + amarelo dá verde. E por aí vai… Quando falamos de cores quentes e frias, o que determina a temperatura de cara uma é o percentual de amarelo ou azul de sua composição. 

Quanto mais amarelo na mistura, mais quente. Quanto mais azul, mais frio. O violeta, por exemplo, é uma cor que tradicionalmente tem bastante azul na composição e por isso seria uma cor fria. Já o laranja, que tem mais amarelo, seria uma cor quente. E como a gente aplica isso na análise cromática?

CORES QUENTES X CORES FRIAS

CORES QUENTES X CORES FRIAS

A nossa pele também tem esta variação. Quanto mais próximo do branco é o sub-tom da pele, mais frio (notem que eu falei “sub-tom” e não “tom”). Quanto mais próximo do amarelo, mais quente. E ao determinar esta característica, podemos aplicar nas nossas roupas, acessórios, maquiagem e até o cabelo. Se a pele é fria, recomenda-se o uso de cores frias. Se a pele é quente, recomenda-se o uso de cores quentes. Eu mesma, tenho pele fria e por isso busco usar tons como o branco, o azul cobalto e o rosa pink, por exemplo. 

CORES QUENTES X CORES FRIAS

Mas como eu já falei antes, dando o exemplo do vermelho, na consultoria de imagem eu não trabalho com cores, mas sim com tons. Ou seja, existem vermelhos quentes e vermelhos frios. Rosas quentes e rosas frios. Verdes quentes e verdes frios, Beges quentes e frios… E por aí vai! 

CORES QUENTES X CORES FRIAS

A vantagem disso é que a coloração pessoal te permite usar quase tudo, desde que o tom esteja certeiro. A única cor que eu não tenho em nenhuma variação na minha cartela é o laranja. Mas eu tenho até amarelos na minha cartela… Parece incoerente, né? Mas isso é para uma aula mais avançada, rs. Lembrando que para descobrir seu sub-tom o único jeito é com a análise cromática. Do contrário é só palpite (que pode até estar certo, mas não é certeza). Então nada de ficar observando a cor das veias, ok? Até porque existe o sub-tom neutro… Que também vai ficar para outro post, já que aqui é só introdução, rs.

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

DE QUANTA ROUPA VOCÊ PRECISA?
PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO :: ANÁLISE CROMÁTICA
ENGANANDO O CONTRASTE COM CARA DELEVINGNE
O PODER TRANSFORMADOR DA TERCEIRA PEÇA + SAPATO