Muita gente se surpreende quando eu digo que preto e branco não são cores universais. Na verdade, pouca gente é valorizada por preto e branco. São cores essencialmente frias e vibrantes… Não são muitas cartelas com configurações assim, infelizmente. Pode ser um inconveniente porque eu sei que muita gente adora preto, branco e preto & branco (o que ainda pode conflitar com o contraste, já que esse mix e o maior contraste que há, rs). 

Muita gente é bastante apegada ao combo P&B. Mas com uma cartela em mãos e boas peças nos tons certos, eu garanto que não faria falta. Mas ainda assim, tem gente que não abre mão do preto ou branco. O que eu digo para as minhas clientes que não abrem mão é: se vai usar, use com sabedoria. E uma das maneiras de “sublimar” o efeito negativo da cor, é empregar a transparência.

O preto sólido é muito heterogêneo para ela que é mais homogênea. A transparência ajuda a nivelar a coloração.

As cores erradas em versões sólidas podem dar bastante prejuízo à fisionomia. Mas como eu vou dizer para uma pessoa que ela não deve usar preto? Sobretudo depois de tantos anos cultuando o tal “pretinho básico“. Para algumas pessoas seria como perder um parente. E o branco não fica muito atrás. Então eu mostro como contornar o problema da melhor maneira possível. E o tecido certo pode ajudar a aliviar esse efeito, sobretudo os que têm transparência.

Renda, tule e outros tecidos translúcidos, que deixam a pele transparecer por debaixo deles, podem ajudar a atenuar o impacto da cor. Sem contar que muitas vezes dá para incluir uma outra cor mais favorável sob tais tecidos, como fez a Olivia Wilde esta semana – que de quebra ainda repetiu a cor do olho no forro, malandramente. Tudo com ajuda da transparência de seu Monique Lhuillier.

Lembrando que a cartela só precisa ser observada nas áreas ao redor do rosto. Por isso, calças, saias e qualquer coisa abaixo da linha da cintura ficaria de fora desta categoria. Nessas peças você pode usar o que quiser, sem prejuízo à sua fisionomia. Para elas eu guardaria as cores para usar como ferramenta em função do tipo físico. Lembrando que para descobrir a sua cartela de cores só com uma Análise Cromática. Saiba mais sobre os serviços de Consultoria de Imagem

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

  1. Gabriela Lopes

    18 jun 2017 às 22h20

    Ótimo post!
    Ainda bem que, apesar de não constar na minha cartela de cores, você me liberou para usar preto. rsrs
    Mas a verdade é que venho comprando e usando muito são as cores roxa e azul marinho. São os meus novos básicos.
    Agora sempre busco por peças nessas cores, só quando não acho que “aceito” o preto. Rsrs
    Análise cromática é um divisor de águas na vida de uma mulher!!!

    Responder
  2. Florence

    19 jun 2017 às 2h57

    amei o post!

    Responder
  3. Mari

    19 jun 2017 às 4h14

    eu tbm notei já o contrário… eu tenho alto contraste. aí comprei uma blusinha branca com uma estampa fofinha, até aí normal… mas notei q sempre q eu usava a blusinha me sentia com cara de morta e tinha q compensar c maquiagem. foi qdo percebi q eram daqueles tecidos brancos fininhos, com uma certa transparencia, o que fazia a camiseta passar de branca pra um bege clarinho (acho q a propria cor do tecido ñ era mto branco tbm).
    só sei q dps de usar umas vezes e sempre me achar apagada, eu dei a blusinha embora

    Responder