Vocês me lêem falando muito sobre tom de pele. Cores frias x cores quentes, opacas x vivas, claras x escuras. Mas eu expliquei pouco ainda sobre o que estas características são na prática. A verdade é que cor é um assunto bocado complexo e eu tenho abordado aos poucos. Hoje decidi falar sobre a diferença entre cores frias e cores quentes. Uma introdução básica, por assim dizer:

 CORES QUENTES X CORES FRIAS    

Todos nós aprendemos no jardim de infância que as cores são feitas de outras cores. No caso de pigmentos, azul, amarelo e vermelho são as cores primárias (quando o assunto é luz, a coisa muda um pouco e na impressão também). Mas no pré-primário descobrimos que vermelho + amarelo dá laranja. Ou que azul + amarelo dá verde. E por aí vai… Quando falamos de cores quentes e frias, o que determina a temperatura de cara uma é o percentual de amarelo ou azul de sua composição. 

Quanto mais amarelo na mistura, mais quente. Quanto mais azul, mais frio. O violeta, por exemplo, é uma cor que tradicionalmente tem bastante azul na composição e por isso seria uma cor fria. Já o laranja, que tem mais amarelo, seria uma cor quente. E como a gente aplica isso na análise cromática?

CORES QUENTES X CORES FRIAS

CORES QUENTES X CORES FRIAS

A nossa pele também tem esta variação. Quanto mais próximo do branco é o sub-tom da pele, mais frio (notem que eu falei “sub-tom” e não “tom”). Quanto mais próximo do amarelo, mais quente. E ao determinar esta característica, podemos aplicar nas nossas roupas, acessórios, maquiagem e até o cabelo. Se a pele é fria, recomenda-se o uso de cores frias. Se a pele é quente, recomenda-se o uso de cores quentes. Eu mesma, tenho pele fria e por isso busco usar tons como o branco, o azul cobalto e o rosa pink, por exemplo. 

CORES QUENTES X CORES FRIAS

Mas como eu já falei antes, dando o exemplo do vermelho, na consultoria de imagem eu não trabalho com cores, mas sim com tons. Ou seja, existem vermelhos quentes e vermelhos frios. Rosas quentes e rosas frios. Verdes quentes e verdes frios, Beges quentes e frios… E por aí vai! 

CORES QUENTES X CORES FRIAS

A vantagem disso é que a coloração pessoal te permite usar quase tudo, desde que o tom esteja certeiro. A única cor que eu não tenho em nenhuma variação na minha cartela é o laranja. Mas eu tenho até amarelos na minha cartela… Parece incoerente, né? Mas isso é para uma aula mais avançada, rs. Lembrando que para descobrir seu sub-tom o único jeito é com a análise cromática. Do contrário é só palpite (que pode até estar certo, mas não é certeza). Então nada de ficar observando a cor das veias, ok? Até porque existe o sub-tom neutro… Que também vai ficar para outro post, já que aqui é só introdução, rs.

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

Volta e meia eu me deparo com declarações do tipo “eu sou quente, porque vermelho me cai bem“. Seria maravilhoso se fosse tão simples! Tem pelo menos duas coisas muito erradas com essa frase. A primeira é que não existe só um vermelho. Segundo porque existem vermelhos de tons quentes e frios… Além dos vibrantes e os menos vibrantes, os claros e os escuros.

  vermelho kendall jenner analise cromatica

Ninguém fica bem com todas as versões de uma cor, talvez com a exceção do preto (para quem o tem na cartela). Observe como uma pequena mudança no vermelho da Kendall Jenner, interferem também o tom de pele dela. Eu apenas fiz uns ajustes no vestido e no batom. Ainda assim, ela está de vermelho nas três fotos. Por isso, fica muito difícil uma pessoa determinar a própria coloração a partir de uma afirmação tão genérica. A última versão, a da direita, é um vermelho bem frio, inclusive.

vermelho kendall jenner analise cromatica

Nesta montagem, tudo é vermelho, mas nenhuma cor é igual à outra. Aliás, umas podem até parecer mais claras, mais quentes (etc.) dependendo da cor que estiver ao seu lado, já que elas interagem entre si. No mundo ocidental, no geral, nós nomeamos as cores mais ou menos da mesma forma. Habitualmente, naquelas 12 cores da sua caixa de lápis Faber -Castell. Amarelo, azul, verde, rosa, marrom, laranja… Em outros lugares do mundo, os nomes de cores nem chegam a isso. Tem região e país que só tem 2 com um nome próprio, sabiam?

Todas essas cores são rosa, no nosso vocabulário. Mas para falar em coloração, seria mais apropriado usar a abrangência das nomenclaturas dos esmaltes, rs. Por isso é importante fazer a distinção entre cores e tons de uma cor. Além disso, é importante identificar também as características de cada tom. Por exemplo, o “sou fria porque fico bem de turquesa“. Turquesa, apesar de derivada do azul, não é uma cor fria (via de regra) por conta de um alto percentual de amarelo na composição. Eu mesma, que tenho o “frio” como característica principal, não tenho turquesas na minha cartela. 

Tá achando difícil? E é mesmo. Mas derrubando esses mitos, já começa a ficar mais fácil de assimilar a noção de coloração. E é por conta desta complexidade toda que só dá para determinar uma cartela de cores com precisão fazendo uma Análise Cromática. E a cartela, por sua vez, garante que ninguém vá confundir um vermelho pelo outro… 

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

Eu sempre falo sobre a noção de contraste na coloração pessoal aqui no blog. Eu insisto tanto nessa parte, porque é a única parte da Análise Cromática que pode ser identificada imediatamente, sem material ou luz especial. Longe de ser a única característica importante, mas é a mais acessível, rs. Por isso, eu encorajo todo mundo a dominar esse conceito e a botar em prática! Mas o que é isso afinal?

Contraste analise cromatica gabriela ganem consultoria de imagem

O contraste é, na prática, a diferença entre cor do cabelo, sobrancelha e olhos em relação ao tom da pele. Quando a discrepância é grande, a pessoa é alto contraste. Quando a diferença é sutil ou nenhuma (eu estou falando de você, Nicole Kidman), então a pessoa é baixo contraste.

Supondo que seja alguém como a Cléo Pires, de pele clarinha e o resto todo bem preto. Esta pessoa é muito contrastada. Mas imagine que seja a Cléo Pires daquela novela da Turquia (Salve Jorge). Atrizes sempre mudam para papéis, certo? Neste caso a Cléo ficou loirassa! O que acontece com o contraste nessa situação? Baixou quase por completo. Isso porque de toda a Coloração Pessoal, a única coisa que pode mudar ao longo da vida é justamente o contraste. Algumas pessoas podem ter todos os níveis durante a vida, dependendo das mudanças capilares, bronzeado e outras intervenções. Observem a Jennifer Lawrence:

Contraste analise cromatica gabriela ganem consultoria de imagem

Tem ainda o meio-termo, o médio contraste. Eu também costumo tratar a escala como o ponto da carne: baixo, baixo-médio, médio, médio-alto, alto. Segmento em 5 etapas porque apenas 3 classificações acabam não sendo abrangentes o suficiente. Então, observando a diferença entre pele e pêlos (e íris) dá para determinar fácil o contraste de alguém. Para ajudar no aprendizado, preparei um quiz maroto para todo mundo ver se está afiado:


Como vocês se saíram? Eu fiz um teste bem molezinha e só com três opções, ao invés de cinco, para facilitar. Para quem errou, vale refazer o teste para ter certeza, rs. 

Por que o contraste é tratado à parte da cartela de cores da Análise Cromática? Porque duas pessoas podem ter a mesma cartela e contrastes completamente diferentes e vice-versa. Então, eu sempre explico que é um recurso complementar. Você pode usar todas as cores da sua cartela, sempre. Mas recomendo que na hora do styling considere o equilíbrio de cores perto do rosto. 

Contraste analise cromatica gabriela ganem consultoria de imagem

Agora que você sabe como identificar este traço, como botar isso em prática nas roupas e acessórios? Basta repetir seu grau de contraste nas peças! No meu caso, que sou bem contrastada, busco usar itens que destoem bastante da minha pele. Se eu não puder fazer isso com a roupa, compenso com o batom, com bijoux, com lenço… Ou pelo menos solto o cabelo, rs. O importante é que a sua fisionomia não “desapareça” em meio às roupas. 

Contraste analise cromatica gabriela ganem consultoria de imagem

O cabelo claro da Jennifer Lopez tem me incomodado tanto…

Uma outra questão é se seu contraste atual é realmente a sua melhor versão. Esse é um daqueles casos em que a Consultoria de imagem deixa de ser estritamente técnica e deixa brecha para o olhar da Consultora entrar no mérito. Muitas vezes eu noto que tem algo que não está totalmente equilibrado no contraste de uma cliente e nesses casos eu dou algumas sugestões. Na maioria das vezes é algo relacionado à tintura do cabelo ou ao estado da sobrancelha. 

Espero que este post ajude todo mundo a identificar seu contraste e a colocar o aprendizado em prática! E para quem quiser se aprofundar mais, vale conferir a página de portfólio e serviços para conhecer os pacotes de Consultoria de Imagem que eu ofereço.

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS