Vocês me lêem falando muito sobre tom de pele. Cores frias x cores quentes, opacas x vivas, claras x escuras. Mas eu expliquei pouco ainda sobre o que estas características são na prática. A verdade é que cor é um assunto bocado complexo e eu tenho abordado aos poucos. Hoje decidi falar sobre a diferença entre cores frias e cores quentes. Uma introdução básica, por assim dizer:

 CORES QUENTES X CORES FRIAS    

Todos nós aprendemos no jardim de infância que as cores são feitas de outras cores. No caso de pigmentos, azul, amarelo e vermelho são as cores primárias (quando o assunto é luz, a coisa muda um pouco e na impressão também). Mas no pré-primário descobrimos que vermelho + amarelo dá laranja. Ou que azul + amarelo dá verde. E por aí vai… Quando falamos de cores quentes e frias, o que determina a temperatura de cara uma é o percentual de amarelo ou azul de sua composição. 

Quanto mais amarelo na mistura, mais quente. Quanto mais azul, mais frio. O violeta, por exemplo, é uma cor que tradicionalmente tem bastante azul na composição e por isso seria uma cor fria. Já o laranja, que tem mais amarelo, seria uma cor quente. E como a gente aplica isso na análise cromática?

CORES QUENTES X CORES FRIAS

CORES QUENTES X CORES FRIAS

A nossa pele também tem esta variação. Quanto mais próximo do branco é o sub-tom da pele, mais frio (notem que eu falei “sub-tom” e não “tom”). Quanto mais próximo do amarelo, mais quente. E ao determinar esta característica, podemos aplicar nas nossas roupas, acessórios, maquiagem e até o cabelo. Se a pele é fria, recomenda-se o uso de cores frias. Se a pele é quente, recomenda-se o uso de cores quentes. Eu mesma, tenho pele fria e por isso busco usar tons como o branco, o azul cobalto e o rosa pink, por exemplo. 

CORES QUENTES X CORES FRIAS

Mas como eu já falei antes, dando o exemplo do vermelho, na consultoria de imagem eu não trabalho com cores, mas sim com tons. Ou seja, existem vermelhos quentes e vermelhos frios. Rosas quentes e rosas frios. Verdes quentes e verdes frios, Beges quentes e frios… E por aí vai! 

CORES QUENTES X CORES FRIAS

A vantagem disso é que a coloração pessoal te permite usar quase tudo, desde que o tom esteja certeiro. A única cor que eu não tenho em nenhuma variação na minha cartela é o laranja. Mas eu tenho até amarelos na minha cartela… Parece incoerente, né? Mas isso é para uma aula mais avançada, rs. Lembrando que para descobrir seu sub-tom o único jeito é com a análise cromática. Do contrário é só palpite (que pode até estar certo, mas não é certeza). Então nada de ficar observando a cor das veias, ok? Até porque existe o sub-tom neutro… Que também vai ficar para outro post, já que aqui é só introdução, rs.

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

Volta e meia eu me deparo com declarações do tipo “eu sou quente, porque vermelho me cai bem“. Seria maravilhoso se fosse tão simples! Tem pelo menos duas coisas muito erradas com essa frase. A primeira é que não existe só um vermelho. Segundo porque existem vermelhos de tons quentes e frios… Além dos vibrantes e os menos vibrantes, os claros e os escuros.

  vermelho kendall jenner analise cromatica

Ninguém fica bem com todas as versões de uma cor, talvez com a exceção do preto (para quem o tem na cartela). Observe como uma pequena mudança no vermelho da Kendall Jenner, interferem também o tom de pele dela. Eu apenas fiz uns ajustes no vestido e no batom. Ainda assim, ela está de vermelho nas três fotos. Por isso, fica muito difícil uma pessoa determinar a própria coloração a partir de uma afirmação tão genérica. A última versão, a da direita, é um vermelho bem frio, inclusive.

vermelho kendall jenner analise cromatica

Nesta montagem, tudo é vermelho, mas nenhuma cor é igual à outra. Aliás, umas podem até parecer mais claras, mais quentes (etc.) dependendo da cor que estiver ao seu lado, já que elas interagem entre si. No mundo ocidental, no geral, nós nomeamos as cores mais ou menos da mesma forma. Habitualmente, naquelas 12 cores da sua caixa de lápis Faber -Castell. Amarelo, azul, verde, rosa, marrom, laranja… Em outros lugares do mundo, os nomes de cores nem chegam a isso. Tem região e país que só tem 2 com um nome próprio, sabiam?

Todas essas cores são rosa, no nosso vocabulário. Mas para falar em coloração, seria mais apropriado usar a abrangência das nomenclaturas dos esmaltes, rs. Por isso é importante fazer a distinção entre cores e tons de uma cor. Além disso, é importante identificar também as características de cada tom. Por exemplo, o “sou fria porque fico bem de turquesa“. Turquesa, apesar de derivada do azul, não é uma cor fria (via de regra) por conta de um alto percentual de amarelo na composição. Eu mesma, que tenho o “frio” como característica principal, não tenho turquesas na minha cartela. 

Tá achando difícil? E é mesmo. Mas derrubando esses mitos, já começa a ficar mais fácil de assimilar a noção de coloração. E é por conta desta complexidade toda que só dá para determinar uma cartela de cores com precisão fazendo uma Análise Cromática. E a cartela, por sua vez, garante que ninguém vá confundir um vermelho pelo outro… 

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

Estamos vivendo tempos difíceis… Tempos de modelagens cruéis! Outro dia no stories do Instagram fiz uma denúncia muito pertinente das blusas-tenda, aquelas que não têm compartimento para seios ou noção da geolocalização da cintura. Hoje, venho falar de algo que não é tão grave, mas que pode matar uma silhueta: as blusas sem cava

  Cava

Vocês podem conhecer algumas como “manga morcego“, mas abrange mais tipos de blusas e/ou vestidos. Quando eu digo “sem cava” é o jeito que eu identifico aquelas mangas sem costura entre os ombros e os braços. Ou ainda com a costura do ombro rebaixada ao meio do braço. Sabem qual eu estou falando?

O que tem de errado com essas blusas? A princípio nada. Mas não são exatamente as mais generosas com a sua silhueta. Isso porque esta falta de ajuste cria uma amplitude que não te pertence. Uma simples costurinha sob as axilas podem fazer uma bela diferença na sua forma. Sobretudo se você é triângulo invertido, já que o volume fica bem na parte mais larga desse tipo de corpo, o tórax e ombro. Para quem é triângulo, pode até ser uma boa, dependendo do corte ou modelagem. Lembrando que dá para saber o seu neste post sobre tipo físico

Meu deus, coitada da mulher que comprar esta camisa jeans, claramente desenvolvida pelo capiroto. Engorda muito mais do que Nutella! [Argumento que uso com frequência]. Só para ilustrar o que uma modelagem ajustada pode fazer, botei meu Toscoshop® para jogo e fiz uma transformação rápidinha para mostrar a diferença. Acreditem, essa é a mesma pessoa – e a mesma roupa:

Neste caso ficou bem mais fácil simular, por conta da transparência. Dá para ver onde estão as coisas debaixo de tanto pano (e que magrinha, né?). Mas a diferença é grotesca. Isso quer dizer que você não deve usar roupas largas nunca mais? Isso quer dizer que você tem que sempre parecer magra? Claro que não. O intuito é apenas saber o que está fazendo, sobretudo na hora das compras. Se você anda adquirindo blusas assim e sai insatisfeita sem saber o que está errado, pode ser culpa da modelagem. Então vale reconhecer o devido valor da costura da cava…

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS