26/12/2017

O ano está acabando e talvez seja um bom momento para recapitular alguns dos posts mais importantes que já rolaram por aqui. Eu não sei se consegui listar todos os pontos absolutamente mais relevantes, mas acho que deu para reunir uma boa quantidade de conteúdo de base. Assim a gente pode rever alguns pontos ou, se você chegou há pouco tempo, dar uma olhada no que já rolou de mais fundamental. Desta forma, entramos todas em 2018 no mesmo patamar, rs. Confiram a seleção:

Posts mais importantes

1. PRIMAVERA, VERÃO, OUTONO, INVERNO :: ANÁLISE CROMÁTICA

Um basicão para entender como funciona a Análise Cromática no método sazonal Expandido. Tudo bem explicadinho para ajudar todo mundo a assimilar as diferenças entre as estações das cartelas de cores. O mais relevante dentre os posts mais importantes, rs.

2. A TERCEIRA PEÇA

Não é todo mundo que ama a terceira peça como eu… Mas como ela é útil! E se vocês notarem, eu estou quase sempre com alguma (só estou dando uma margem de segurança aqui, acho que eu sempre tenho uma, nem que seja no carro, rs). No mínimo um bom acessório entra na roda! 

3. CORES QUENTES X CORES FRIAS

Aprenda a distinguir melhor tons quentes e tons frios – de todas as cores! 

4. VISTA-SE PARA O TRABALHO QUE VOCÊ QUER TER

Como sua roupa e imagem interferem na sua carreira. Mais que isso: como isso tudo interfere no seu desempenho no trabalho? Como usar essas informações a seu favor?

5.  QUIZ :: COR QUENTE X COR FRIA

Teste seus conhecimentos e descubra se você já consegue diferenciar tons quentes de tons frios.

6. POST DEFINITIVO SOBRE CONTRASTE & COLORAÇÃO PESSOAL

Tudo o que você precisa ver para assimilar de vez o conceito de contrastes. Saiba identificar os diferentes perfis – incluindo o seu – e também o que fazer com esta informação. 

7. SE ESSE CABELO FOSSE MEU :: JULIANA PAES

O caso da transformação capilar de Juliana Paes e o que podemos aprender sobre coloração com ele. Como lidar com a moda das baby lights?

8. “VERMELHO ME CAI BEM”

Aprendendo a lidar com a diferença entre “tom” e “cor” para derrubar crenças absolutas como “vermelho me cai bem”. 

9. QUÃO IMPORTANTE É A MAQUIAGEM PARA O SEU CONTRASTE?

Como equilibrar a sua maquiagem com o seu contraste. E mais importante: como ajustar a make às variações de contraste que venham a acontecer com você.

10. DRAMA :: SOU ALTO CONTRASTE E QUERO USAR NUDE

Este pecado capital comum da análise cromática tem solução e pode funcionar para você também!

Estes são alguns dos posts mais importantes que rolaram por aqui até hoje. Se você tem outra pauta que te marcou ou ficou com alguma dúvida, é só falar nos comentários! FELIZ NATAL & ANO NOVO!

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

16/10/2017

Recentemente estive no cinema para a première do filme “Kingsman 2” (que aliás é tão bom e debochado quanto o primeiro, adorei) e consegui convencer o namorido de registrar o look para publicar aqui. Tarefa difícil, porque ele detesta, comprensivamente. A luz não é das melhores, mas o evento era noturno. Então foi o melhor que deu para fazer na vida real, rs. Consegui um cantinho mais iluminado, mas ainda não era o ideal. Portanto, considerem uma boa margem de erro para essas fotos, ok?

 

Blazer: Zara | Blusa: Enjoy | Bolsa: Manufact | Colar: J.Crew

Saia: Gig | Sandália: Pé de Anjo

Comecei escolhendo a saia, já que ela seria o destaque da produção. É uma saia de tricô estampado da Gig. Já falei para vocês sobre o quanto eu amo tricô? Aliás, a collection da Gig para a C&A chega nesta semana e eu já estou me coçando. Já usei esta saia num look com blusa de seda pink, mas desta vez quis algo mais coordenado. Repeti o verde água da estampa na blusa e o marinho no blazer. A maioria das pessoas pararia por aí e colocaria uns acessórios pretos. Mas eu não curto muito colorido com preto. Por isso, preferi minha fiel escudeira bolsa verde – é a que eu mais uso. 

Como já falei outras vezes, sapato metalizado vale por dois! Isso porque ele combina com qualquer coisa e ainda valoriza as demais cores, ao invés de apagá-las. Botei mais um tiquinho de brilho no colar e no brinco, mas não muito. Só o suficiente para dar uma luz – lembrando que a minha cartela de cores da Análise Cromática inclui o brilho. 

Em matéria de silhueta, sempre dou preferência para os modelos um pouco abaixo do joelho ou midi. Fica muito mais proporcional ao meu corpo. Outro detalhe é o comprimento do blazer. Neste modelo de saia adesiva e estampada meu quadril fica um tanto em evidência, ali na altura do culote. Para amenizar, joguei este blazer longo (e devidamente acinturado) para esconder este detalhe. Mas é importante ressaltar que o blazer vai até abaixo do quadril. Se ficasse na linha do culote, criaria um ponto focal e destacaria ainda mais o que eu quero esconder. Então cuidado com isso, demais cadeirudas do Brasil, rs. Ps: outro detalhe da saia de tricô é que não precisa passar, amém. Muito prático!

Gostaram? Se ficar alguma dúvida na explicação, já sabem que é só comentar aqui embaixo que eu tentarei detalhar melhor, rs. Espero inspirar e ajudar alguém com estas explicações… Em breve mais um look aqui!

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

20/08/2017

Recentemente aconteceu uma coisa curiosa comigo… Numa mesma semana eu atendi a duas clientes completamente opostas, que quebraram um recorde pessoal cada uma. Uma delas tinha a menor quantidade de roupas que eu já vi. Todo o seu armário cabia numa mala de mão. Isso mesmo que você leu. Já a outra cliente, tinha roupa de umas três décadas armazenadas (eu sei porque reconheci peças que a gente usava quando eu era pré-adolescente) – e nunca tinha feito um descarte. Eu não sei exatamente quantas portas de armário seriam, porque as peças já não cabiam no armário. Diante de tamanho contraste, achei que era o universo me apresentando uma oportunidade de post, rs. 

roupa closet armário capsula inteligente

Eu sempre prego aqui um consumo mais consciente e uma abordagem mais prática do guarda-roupa. Apesar disso, eu sei e presenciei algumas vezes o quão forte pode ser o vínculo emocional das pessoas com as roupas. Eu exercitei o desapego a vida toda, para chegar no patamar que eu estou hoje. Me desfaço das coisas sem muito pesar, porque já descobri como uma vida mais leve e com menos coisas pode ser melhor (obrigada Marie Kondo). Já no outro lado da moeda, sei bem que existem pessoas que acham a roupa uma função chata e detestam fazer compras. Isso não quer dizer que a pessoa não ligue para a própria imagem. E esse conflito é o que leva algumas pessoas a me chamar. 

Cada atendimento é bem diferente e às vezes eu acabo direcionando o foco que cada consultoria vai ter dependendo da demanda. Tem gente que precisa de uma Consultoria de Imagem para conseguir ser mais criteriosa nas compras e descarte. Tem gente que precisa mais de compras e montagem de looks. Tem gente que precisa apenas fazer algo por si mesma. Uma alavancada na autoestima. Às vezes meu trabalho fica às margens da terapia. E eu acho que esta é a parte que eu mais gosto. Me dá uma satisfação enorme ser uma facilitadora de cada uma dessas questões. E o que eu presenciei com as duas clientes recordistas me fez pensar em uma pergunta: de quanta roupa você precisa

De quanta roupa você precisa?

Nós todas temos vidas super diferentes e polivalentes. Eu não diria que há um dígito específico. Longe disso! Mas sim que a quantidade de roupas que você precisa é diretamente proporcional à qualidade das roupas que você tem. E quando eu digo qualidade, não é sinônimo de coisa cara. O preço não tem nada a ver com o termo aqui. Para mim, qualidade se resume a seis critérios: versatilidade, beleza, estilo, adequação, caimento e estado da peça

Se a grande maioria das suas roupas veste bem, te valoriza, tem a sua cara, está bem cuidada, serve aos seus compromissos e ainda se coordena com as demais peças, você não vai precisar de muita quantidade. No caso da minha cliente com uma mala de roupa, meu foco foi nas compras e nos looks. Já que nem precisou de descarte, compensei montando mais opções para ela. Com cerca de 30 peças no armário todo, conseguimos montar mais de 100 produções diferentes. O equivalente a 3 meses e meio de looks, sem repetir nenhuma vez. E ouso dizer: dava para montar até mais. Ela ficou com o armário inteligente perfeito, dentro do estilo dela, compacto e prático. Para quem ainda não está familiarizado com o funcionamento do armário em cápsula, fiz um Gif que resume o conceito:

Roupa

Cardigã | Regata estampada | Rasteira | Sandália de salto | Calça | Camiseta | Colar | Regata lisa | Saia | Blazer

Claro que isso é uma versão resumida, mas já deu para mostrar como funciona e como funciona bem, rs. Mas é claro que eu estou falando de necessidade. Do quanto você precisa mesmo. Mas se roupa é uma paixão para você, mais até do que viajar, comer ou outros prazeres (ou tanto quanto) – e você pode usufruir disso de forma saudável, por que não? Meu papel nestes casos é apenas apresentar critérios para que isso não saia do controle e seja feito de forma inteligente. A linha tênue entre paixão e dependência, como tudo na vida.

Meu ponto aqui é: precisar, precisar mesmo, não é tanto quanto você pensa. Apesar disso, é claro que você tem liberdade para ir muito além do mínimo. Mas em todos os casos, o armário só funciona se você tiver o essencial de roupas de qualidade e com tudo bem disposto e organizado. Do contrário, vai ser aquele velho dilema na hora de se vestir e a familiar sensação de que você não tem o que vestir…

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS