24/01/2018

Ainda é janeiro e a semana de moda de Alta-Costura começou esta semana em Paris. Em tão pouco tempo, seria possível já extrair uma tendência diante do que surgiu nas passarelas? É sempre mais difícil tirar inspirações de desfiles de Couture, porque não deixa de ser uma coisa pouco tangível para a maioria e quase totalidade de nós. Felizmente, não é o caso do item mais omnipresente nos desfiles até aqui: o véu!

Quando Chanel, Dior, Ralph & Russo e Alexandre Vauthier desfilam um mesmo acessório com um intervalo de poucas horas, no mínimo a gente fica atenta, né? Afinal, já aprendemos desde cedo que não existe coincidência Fashion. A verdade é que ainda não consegui me atualizar por completo do que rolou nesses dois dias de Fashion Week (aliás, recomendo a cobertura do Fashionismo no blog e stories). Ainda assim, senti um clima de déjà vu com as tais redinhas:

Dior

Ralph and Russo (te amo, me casa!)

Chanel

Alexandre Vauthier

Não sei exatamente como chamar. Se é véu ou se é mesmo uma redinha, rs. Só sei que estão nos vendendo este peixe. O que a gente faz com isso, já são outros quinhentos… A verdade é que achei um charme! E dá para incorporar de um jeitinho ou de outro, nem que seja só ao penteado. Além disso, a hora não poderia ter sido melhor, já que o carnaval está logo ali. E outra vantagem é que fazer um para você não vai custar quase nada. Se você preferir comprar pronto, tem também, sobretudo no Ali Express:

Fascinator

Touca

Casquete

Pena que não tem mais Accessorize por aqui. Eu já tive uma de lá linda (mas acho que já não tenho mais). Se for buscar na web, sugiro que procurem por Voilette ou Casquete. Vocês usariam a tendência? Só no carnaval ou nem assim? Eu provavelmente não colocaria para ir ao cinema… Mas numa festa, por que não? Pode ser uma boa maneira de trazer um diferencial para um vestido mais simples. Uma pitadinha de dramaticidade que eu tanto gosto. Não precisa ser exclusividade das covers de Madonna, rs.

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

20/01/2018

Não é novidade nenhuma que o gloss anda recuperando seu status do passado nos últimos anos. Se foi febre há 20 anos, a nossa moda, que é cíclica, alguma hora ia trazer isso de volta. Quando começou a se falar nisso há uns dois anos, confesso que ainda não estava preparada para encarar mais momentos de cabelo grudando na minha boca ao menor sinal de vento… Mas acho que ninguém estava pronto ainda, rs. O batom matte era rei ainda em 2016. Hoje, já dá para ver que a resistência ao gloss vem diminuindo. Até eu estou mais entusiasmada com o danado. É tendência? É! Mas e você com isso?

Essa pergunta que eu faço é sempre para a gente refletir se cabe mesmo incorporar certas tendências nas nossas vidas ou se é melhor deixar passar. Claro que, nos fim das contas, cada um faz o que quer com sua própria face, né? Mas eu sempre gosto de trazer uns argumentos aqui, rs. O primeiro de todos e mais importante: sua coloração. O gloss, apesar de existir em mil versões, não é exatamente democrático. O brilho favorece mais pessoas de cartela de cores vivas, ou seja, as Primaveras e os Invernos (não sabe do que eu estou falando? Leia o post sobre Análise Cromática). Mas se você é de Verão ou Outono precisa sair correndo? Não, mas vale ter um pouquinho de cautela sim. Já para quem é de característica predominante opaca é melhor ficar só no lip balm, se possível, rs. Sobretudo porque a tendência de agora não é exatamente discreta….

Efeito vinil

Se na virada do milênio o ápice era o gloss transparente e até um pouco cintilante, hoje acho que se trata mais de um efeito de vinil. Ou seja, a cor entrou na jogada. Eu já tive um batom YSL (vinyl lip stain, se não me engano) que usei até a última gota. A proposta era exatamente essa: um gloss que colore, dando um efeito vinílico. Ou seja, nada discreto. O que não quer dizer que seja ruim. Mas vale avaliar se entra na sua coloração e também no seu estilo. Dito isso, acho que pode render umas boas ideias de make:

Para quem recebe bem o brilho, pode ser o melhor tipo de batom nude. Ótimo para coordenar com um olho mais carregado ou de cores escuras

Outra sugestão é fazer um combo com sombra colorida. Mas nada muito infantil, claro. Tons mais sóbrios como o oliva, o vinho, o roxo… Mas que apesar de mais discretos que um azulão, ainda são coloridos. Aliás, amei essa make da Rachel McAdams que ressaltou os amarelos do olho dela com a cor complementar.

Para quem acha o batom escuro muito gótico, acho que o gloss ajuda a quebrar essa impressão.

Pode ser um nude para negras também, dependendo da cor do gloss. 

Eu ainda acho o gloss pigmentado bege ou champanhe uma coisa meio anos 2000 demais. No entanto, tenho que reconhecer que ele faz um bocão lindo, principalmente se tiver cintilância. Acho que, se usado com parcimônia, na cor certa, pode ficar bem elegante. 

Pode rolar também um efeito ombré com o gloss concentrado no centro da boca, que ainda dá volume.

Ou ainda, um look natural clássico também, por que não?

Confesso que ainda não mergulhei muito nessa tendência mas prometo que vou me desafiar. Vocês sabem o quanto eu sou do time do batom colorido… Quem sabe não arrisco num colorido vinil? Vocês gostam?

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

18/08/2017

Há algum tempo venho sendo impactada por um modelo específico de maxi brinco que se espalhou mais que esta gripe do inverno, rs. Os brincos de bolas (ou esferas, se você é de exatas) começaram a pipocar no fim do ano passado e ganharam muita força no verão lá de fora. Desde então, não parei mais de ver o dito cujo nos meus feeds. Tudo graças a um modelo específico:

Brincos de bolas Les bonbons

Estes são os Les Bonbons, os brincos de bola da designer Rebecca De Ravenel que se tornaram uma verdadeira febre. São muitas as celebridades que aderiram ao modelo e você certamente já cruzou com ele por aí. Selena Gomez foi uma das que chamou mais atenção para as bolotas em um look laranja meses atrás. Mas, desde então, nomes como Jennifer Lopez, Katy Perry, Kate Bosworth, Emma Roberts e Lupita Nyong’o já desfilaram com o bendito em algum momento. Pessoalmente, eu acho belíssimo:

Brincos de bolas Brincos de bolas   Brincos de bolas

A própria Rebecca com um de seus Les Bonbons

Eu realmente acho todos os modelos lindos, até porque além das bolas, são todos maxi-brincos. Vocês sabem que meu único pecado consumista é brincão, né? É meu calcanhar de Aquiles. E um fato interessante é que eu acredito que esses modelos são bem democráticos. Isso porque ele reúne duas formas antagônicas: a esfera e a linha. Calma que eu explico: para quem tem rosto redondo, círculos em acessórios não são legais, mas as linhas verticais longas sim. O oposto acontece para o rosto longo. De certa forma, acho que as formas acabam se neutralizando um pouco. Então pode ser uma opção bacana para todo mundo, dependendo de alguns detalhes.

Brincos de bolas

O sucesso é tamanho que até marcas bem renomadas quiseram dar a sua versão dos brincos de bola. Nomes como Kenneth Jay Lane, Isabel Marant, Kate Spade, Rebecca MinkoffNanette Lepore e até a minha querida J.Crew criaram acessórios inspired. A vantagem é que agora existem incontáveis modelos e mil materiais diferentes para escolher. São brincos de bolas do metal às pedrarias, do fio à miçanga.

E não é só lá fora que rolaram as versões inspiradas, claro. Aqui também já tem muita marca que embarcou nesta história dos brincos de bolas. Eu diria até que existem variações mais criativas. Montei uma pequena vitrine, de múltiplas origens. Fiz naquele esquema de clicar na foto de cada um para comprar em lojas afiliadas (em que eu me sinto extremamente high-tech):

Não sei se vocês vão se interessar por estes, mas achei todos bem legais – e alguns bem no meu estilo. A vantagem é que os brincos da Rebecca De Ravenel custam 325,00 dólares e todos esses custam bem menos, rs. Alguns têm variações de cor também, para quem já conhece a sua cartela não errar na escolha (não esqueço de lembrar, rs). O que acham dos brincos de bolas?

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS