08/05/2018

Rolou nesta última noite um dos eventos mais badalados do ano para fashionistas e notórios, o Met Gala 2018. Este é o baile anual da revista Vogue no famoso museu em NY. Quem já assistiu a Diabo Veste Prada provavelmente sabe do que se trata… A ocasião é uma espécie de festa temática e, em 2018, o tema foi sobre criaturas celestes, uma referência ao catolicismo. Pessoalmente, adorei esta inspiração! Roupas religiosas são sempre inusitadas e rendem boas ideias para uma festa deste porte. Lembrando que, para quem não sabe, nesta festa tem um grande tapete vermelho (bege, né?) com looks bastante dramáticos. E existe coisa mais interessante na moda? rs.

Blake Lively costuma ser mesmo um centro das atenções no Met Gala e a expectativa é sempre enorme para ela. Ainda assim, nada poderia nos preparar para o que estava por vir… Nem os mais elaborados figurinos de época já tiveram algo tão espetacular quanto seu Atelier Versace. O que eu mais gosto é que, embora seja quase uma fantasia, os detalhes diferenciam para dar aquela abordagem fashion. Amei o caimento, a transparência na virilha cavada e o decote, devidamente equilibrados com bastante pano, rs. Sem contar que a cor é perfeita. Entrou para a história do evento. Parabéns Blake! Agora me empresta… E obrigada por não usar preto.

Zendaya é uma entidade fashion e não decepcionou nem um pouquinho. Aliás, diria que teve a melhor ideia para um evento com tema de “igreja católica”: Joana D’Arc. Que ícone! E que execução nesta roupa… Dá para ver a referência nitidamente (a peruca ajuda bastante também, embora esse ruivo com o prata tenha me dado um certo nervoso). Parabéns e Obrigada por existir.

Se esta não foi o melhor look da Kim num Met Gala, eu não sei qual foi. Algumas pessoas me mandaram mensagem falando que ela estava igual à Monica Belucci. Acho que não existem elogios muito melhores do que este. Eu adorei tudo e não mudaria nada! A maquiagem está um espetáculo, o cabelo está indefectível e o Versace vestiu como cinta modeladora. Aliás, falando em cabelo… Muitos apliques nesta festa. Acho que cabe com o tema e nem senti a rejeição habitual que costuma bater quando vejo um cabelo de um quilômetro.

Diane Kruger é outro ícone deste tapete vermelho e não ficou atrás desta vez. Acho que nem todo mundo vai apreciar mas eu adorei. Esta cor é sublime para ela e me lembra muito essa coisa celeste do tema. Adoro que ela sempre ousa e dá certo. Maravilhosa!

Eu não vou dizer que este amarelo é perfeito para Amanda Seyfried e também não vou dizer que não é. Dependendo da foto (e do flash na moça branquela) a coisa funcionava ou não. Mas eu vou não consegui não amar esse look para ela. Eu adorei o caimento, o contraste, o cabelo. Ela ficou jovial e feminina. Deu muito certo.

Bea Schaffer para quem não está familiarizada é ninguém menos que a filha do diabo, digo, Anna Wintour. Ela sempre tem uns looks maravilhosos e desta vez, apesar de não ter investido tanto no fator “fantasia”, acabou me ganhando com seu Valentino vermelho-valentino. Eu não sei o que é sobre este vestido mas eu fiquei hipnotizada. Acho que é o ombro caído com um laçarote. Ficou muito bonito. Sem contar que a cor está na mosca, pelo menos no contraste. Acho que este é o tom de vermelho perfeito. Katy Perry não foi tão reverenciada quanto Riri mas eu diria que a roupa está num patamar de igualdade. Eu amei e aprecio o investimento neste look de anjo, super ambicioso. Ainda sinto saudades de Katy morena, mas pelo menos a coloração ficou equilibrada. Arrasou!

Francisco poderia oferecer um co-papado para nosso ícone mais icônico vestida de Papa. Aliás, chegou no Met Gala num Papa-móvel e eu morri de rir (tem registro nos stories). E mais do que esta roupa impecável de uma tonelada de bordados criada por Galliano para a Margiela, Rihanna tem atitude que transcende a própria roupa. Não tem para ninguém. Falando em Galliano, eu sei que o que ele fez é imperdoável, mas eu senti saudades do seu talento, confesso.

Eu acho que este tapete vermelho do Met Gala foi um sucesso… 2018 vai dar trabalho para 2019! Eu diria que o tema ajudou muito e estava na hora da moda resgatar uma coisa mais barroca e menos minimalista. Pelo menos eu estou pronta e ansiosa. E também seria ótimo se esses adornos de cabeça se tornassem socialmente aceitáveis para o dia-a-dia. Cada um mais espetacular que o outro. Qual o favorito de vocês?

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

Rolou nesta madrugada a premiere do terceiro filme dos Vingadores da Marvel, também conhecido como Avengers 3. Acho que nunca antes na história do cinema tantos grandes nomes foram reunidos em um só filme. Nem em Os Mercenários 1, 2 ou 3 se viu tanta estrela junta. Felizmente, tem muita moça bacana nesse filme também, o que nos rendeu uma boa pauta de tapete vermelho.

Já vou logo adiantando que, apesar do casting de sucesso, os looks me deixaram um pouquinho decepcionada. Talvez porque são muitas estrelas juntas, a galera não exagerou demais para não se ofuscar mutuamente. O que não quer dizer que não tem produção legal… Temos muitas! Mas vocês sabem que eu sempre avalio com um pouco mais de rigor técnico. Ainda assim, temos boas inspirações e aprendizados para tirar do evento!

Avengers

Abrindo os trabalhos com a minha favorita da noite, Zoe Saldana. Ficou devendo o marido ali (se vocês não sabem do que eu estou falando, recomendo a leitura deste meu texto antigo, rs). Eu amei essa releitura do smoking em versão macacão. é das coisas mais simples e lindas que eu já vi. Minha única implicância, só porque eu trabalho com isso, está nas cores. Não acho que preto e branco valorizem a fisionomia dela. Senti muita falta de mais maquiagem para compensar no contraste. Minha sugestão seria um batom mais forte e pronto. Poderia até ficar com o cabelo simples. Mas eu entendo que, depois de muito chá de cadeira para se maquiar de verde, ela esteja um pouco saturada de maquiagem, rs.

Avengers

Seguindo com outro favorito de Avengers: Elizabeth Olsen. É a cor dela? Acredito que não. Mas ela sim compensou o contraste com um belo batom! E tem mais: a transparência (lembram deste post?). Algo sobre essa renda é um pouco romântico para meu perfil – o que é de se esperar de um Oscar De La Renta. Ainda assim, eu adorei. E o que eu gostei mais ainda é do sorrisão. Muito melhor que carão, não acham? Me ganhou nisso.

Scarlett Johansson cometeu um crime com este cabelo. Ela ficou com um rosto exacerbadamente triângulo invertido. Não acho que é necessariamente o corte, mas sim o penteado. Apesar disso, temos alguns pontos positivos. A começar pela make. Amei esse esfumado roxo. Acho que ficou um espetáculo com o vestido prata! Coordenou muito bem. Como  vocês sabem, metalizado é bem neutro, por isso vale um colorido na make. Eu gosto muito deste vestido da Erdem. É totalmente fora do óbvio e bem elaborado. Minha maior crise com ele é a modelagem para o corpo dela. ScarJo é bem mignon e eu acredito que um tomara que caia midi achate um pouco a sua silhueta. Eu teria feito no joelho ou com um decote mais alto. 

Gwyneth Paltrow foi bem Gwyneth para a estreia de Avengers… Vestido clean, pernas de fora – e que pernas! Não sei se é a cor dela, gostaria de vê-la numa cor mais fria, mas o contraste tá direitinho. A sandália é perfeição! Quase na cor da pele e bem arrumada. Adorei!

Letitia Wright pode ter incorporado a personagem aqui, rs. Eu achei super moderno, jovem. Não vou dizer que amei, mas apreciei a ousadia e a criatividade do seu Prada. Não diria que a cor é ideal, mas o contraste está em dia. Outra coisa que eu adoro é o contraponto da rigidez do terno com a feminilidade do tule e laçarote. Trocaria a bolsa, rs.

Eu não consigo nem decidir se eu gosto deste modelo da Evangeline Lilly, porque eu estou muito distraída pela cor. Para mim, ela tem que passar bem longe deste dourado amarelado. A apagou completamente. Os olhos tão característicos dela sumiram! Não consigo falar mais nada.

Update: não me aguentei e fiz um toscoshop rápido. Não é perfeito… Até porque tem transparência, rs. Mas olha que melhora!

Danai Gurira talvez tenha sido um case da noite. Não diria que está perfeito. Mas o seu Zuhair Murad vestiu muito bem e a cor funcionou, pelo menos no contraste. Fico em dúvida no batom. Minha única observação, talvez até uma implicância pessoal minha, é que talvez ela tenha muita comissão de frente para este tipo de decote. Os mais profundos eu costumo preferir em moças com menos peito. Órbitas que não fiquem naquele unidos-venceremos (meu sonho um sutiã que mantenha cada um no seu lugar, mas nunca consegui, rs). 

Jennifer Connelly é musa Louis Vuitton e, naturalmente, usou um look da maison. Fiquei decepcionada com a simplicidade, mas a estreia não é dela, mas sim do marido, Paul Bettany. Por isso, faz sentido um look mais comedido. Dito isso, não gostei mesmo assim. Essa cor claramente não é para ela e a modelagem é bem esquisita. Parece até que ficou grande, eu diria. Não sou a maior fã de roupa oversized. Só óculos e bijoux mesmo, rs. 

Brie Larson tem uma cintura menor do que as que a gente costuma ver no nos photoshops da vida. Ainda assim, seu Carolina Herrera conseguiu deixá-la quadrada. Até no rosto! Este decote não funciona bem para quem já tem traços mais retangulares. Além disso, branco não é para ela, sem sombra de dúvida. Amo Brie! Mas o look não fez jus a ela… Ou ao primor da Carolina Herrera.

O que acharam das produções? Algum favorito? Espero que ainda tenhamos muitas estreias mundo afora, para a gente curtir esses eventos mais vezes. Eu não vi o Avengers 2 ainda, então não sei quando vou conseguir assistir ao novo, rs. Mas com um  elenco desses, eu não quero perder. Sem contar que tem Guardiões da Galáxia no meio, que é meu favorito da Marvel. Quem vai assistir?

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS

Hoje é Dia Internacional da Mulher. Se quando eu era mais nova era só uma data bonitinha, hoje a gente sabe melhor da importância deste dia. O que ele representa. Provavelmente ao longo do dia você cruzou com diversas imagens de flores, de empoderamento feminino e até umas campanhas bem boladas… Adoro tudo isso! Mas nesse ano eu decidi que queria fazer algo um pouco diferente e contribuir com algo mais tangível. Algo para colocar em prática mesmo, no trabalho

     

Não é nenhum segredo ou surpresa que o mercado de trabalho é muito mais selvagem para a mulher do que para o homem. Tem disparidade de salários, de oportunidades, assédio… Aquilo que já sabemos. Volta e meia eu divulgo alguma pesquisa aqui relacionada ao mercado de trabalho. A imagem pessoal pode interferir no seu salário em até 20%. Uma mulher que se arruma chega a ganhar 20% a mais do que uma que não se arruma, por exemplo (grosso modo). E isso não acontece igual para os homens.

Outra pesquisa que me deixou muito balançada, mas não surpresa é a disparidade de auto-cobrança de nós para eles. Um homem se candidata para uma vaga de emprego se ele acredita que tem 60% das habilidades requeridas para a vaga. Nós não mandamos nem o CV a menos que possamos cumprir 100% dos pré-requisitos. O mesmo vale para subir de cargo na empresa. Achei este vídeo esses dias que ilustra bem esses dados, com mais dados:

Só achei em inglês mesmo, infelizmente. Mas o resumo da ópera é que autoconfiança parece ter um papel mais importante do que competência num ambiente de trabalho. E que homens superestimam o próprio desempenho em 30%… Não só isso como os dos colegas homens também. E também subestimam o das colegas mulheres. Pior ainda: isso traz retorno. São esses que acabam sendo escolhidos para posições de liderança, mesmo quando existem mulheres mais qualificadas.

Mais uma vez, dá para ver como autoconfiança pode ser determinante num processo de seleção ou de promoção. Não vou entrar no mérito do tamanho da injustiça, porque não é o foco deste post. O que eu quero mesmo é ver como eu posso ajudar. E se o tópico é autoestima, eu sei que posso ajudar. Acompanho de perto e de longe algumas mulheres à minha volta, desde amigas a clientes ou leitoras e, sobretudo na crise, sei que tem bastante gente com dificuldade para achar trabalho ou alcançar a merecida promoção. Se confiança tem mesmo um papel nisso – e eu acho que tem – a consultoria de imagem pode ajudar a simular o efeito:

Usar maquiagem :: Mulheres que usam maquiagem são percebidas como mais competentes e confiáveis do que as que não usam. Inclusive, muita maquiagem se mostrou melhor percebida do que pouca maquiagem. Mas não sei se isso se aplica ao Brasil, rs. Era um estudo internacional, provavelmente em países mais frios. 

Estar arrumada :: Uma pesquisa recente mostrou que se arrumar não só melhora a percepção que os outros têm de você, mas também o seu desempenho. Isso mesmo que você leu. Inclusive, vou parar de trabalhar de pijama quando estiver em casa, rs. 

Estar na moda :: Calma, não estou falando de mom jeans, rosa com vermelho e bota branca. A ideia é que as suas roupas sejam atuais. Estar em dia com as tendências mostra que você está atualizada e em contato com o que está acontecendo à sua volta. Uma calça reta de 2018 não é igual à calça reta de 1990. Então, fique atenta. 

Salto :: Veja bem, eu não disse salto alto. Mas um salto qualquer. Mesmo que seja uma sapatilha… Se ela tiver um dedinho de altura no calcanhar já vai ajudar com outra coisa importante: a postura. Meu sapato mais confiante para mim é minha bota de montaria e ela tem dois ou três dedos de “salto”. Fico até mais alta (que com outros saltos iguais, rs). 

Postura :: Já que eu falei dela, não custa lembrar. Se der para se manter ereta, passa uma imagem muito mais confiante. Penso que mulheres altas podem ter mais dificuldade com isso. Eu lido bem com meus 1.80m. Mas ainda que você tenha 1.98m é melhor ficar ereta do que curvada. E o saltinho pode ajudar também. Outra coisa importante que eu aprendi a não fazer (apesar de amar) é cruzar os braços. Se você está numa apresentação importante ou numa entrevista de emprego de braços cruzados isso pode causar uma impressão mais antipática e fechada. 

Eu não estou dizendo que para ter autoestima é preciso estar maquiada, depilada, magra e de cabelo feito em cima de um salto. Não me interpretem mal. O que eu estou falando é sobre como a imagem pode passar mais confiança, mesmo que a gente não tenha tanta assim. E quem sabe algumas dessas coisas não muda de fato a sua percepção de si mesma, nem que seja no trabalho? Pelas minhas experiências posso testemunhar que funciona bastante, rs. É preciso se aceitar de dentro para fora? Sim. Mas às vezes de fora para dentro pode dar uma mãozinha também. Além disso, podemos usar as cores para passar a imagem que queremos. Supondo que você vá para uma entrevista de emprego ou tenha uma apresentação importante no trabalho. Que cor você usa? 

As da sua cartela? Com certeza, rs. Mas além da análise cromática, que te deixa com mais viço e beleza, as cores têm conotações universais para nós humanos. Mesmo que você esteja sendo entrevistada por um esquimó, a reação que cada cor provoca é praticamnte a mesma. Cores provocam até reações físicas e podem desde aumentar a sua pressão arterial até levar mais oxigênio para o cérebro. A psicologia das cores pode te ajudar a acertar já ao entrar pela porta. Tudo depende do que você busca passar, dependendo do cargo, da área, do entrevistador… 

Azul ::  É definitivamente a melhor cor para se usar numa entrevista de emprego, sobretudo se você é de áreas que trabalham com exatas. Azul é uma cor que passa confiança, inteligência, produtividade… Além disso está associada a áreas de tecnologia e indústria. Não recomendo muito caso você esteja buscando algo relacionado a comida (a menos que seja indústria), porque é a cor que corta o apetite. Eu bem uso prato azul aqui em casa, rs.  

Vermelho :: É uma cor muito ligada à emoção – o que pode ser vantagem ou não. Se você quer se mostrar dinâmica, pode ser uma boa escolha, ainda que seja num acessório ou no batom. Aliás, se você está participando de um processo de seleção coletivo, acho que é necessário vestir algo que te destaque da maioria. Um detalhe vermelho pode ser exatamente esse diferencial.

Cinza :: Pode ser uma boa cor para usar num ambiente de colaboração ou de solução de conflitos. É uma cor que não confronta o interlocutor e também passa uma imagem sólida. Por outro lado, pode parecer um pouco depressiva. Meu pitaco é usar com alguma outra cor mais viva, como o próprio branco. 

Bege ou marrom :: Se você trabalha ou pretende trabalhar em alguma área muito conservadora, como um escritório de direito, por exemplo, estas são duas cores que remetem a este universo. Uma blusa bege num blazer marinho, por exemplo, pode passar uma imagem mais austera. Se você sofre por ter cara de criança, essas cores podem te ajudar ainda mais. 

Existem mais cores, é claro. Mas acho que essas já norteiam um bocado, sem confundir. E o melhor é que todos esses podem ser coordenados com a sua cartela e contraste. Basta escolher o tom certo. Eu sei que tem uma demanda para mais posts deste assunto e eu prometo que vou abordar mais ainda. Mas estou guardando o melhor para um projeto que vou fazer ainda este ano… Vou manter o mistério, mas já aviso que membros da newsletter vão ter acesso primeiro, rs. Enquanto isso, espero que este postão ajude quem precisa! Feliz Dia Internacional da Mulher! Que um dia em breve a data se torne obsoleta…

Beijos,

gabi

POSTS RELACIONADOS